quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Fora de jogo

Stu, Old Firm victory for the Bhoys!, 2005

Eu sempre disse que iria acontecer assim e aconteceu. Tu deixaste. Desta vez apostei tudo para provar que tinha razão, e tinha. Não tenho mais nada a perder. Para ela é um jogo, para ti a vida, que deixas outros jogarem por ti. Para mim a certeza do que sempre soube, a morte que sempre anunciei. A tua falta de convicção impele-te ao jogo, o que deitas a perder é por não saberes, ou não quereres, defender como teu. Achas que podes ganhar um jogo que outra pessoa controla por ti, por mim, por nós? Quantos trunfos te ficam quando descartas o que é teu por absoluta falta de convicção? Já fiquei a dormir na rua por causa da tua falta de fé, lembras-te? Foi o primeiro sinal de que estou fora de jogo na tua cabeça.

6 comentários:

Lábios de Caprichos disse...

Mais uma vez os meus olhos ficaram colados a cada letra. É impressionante tao sentimento, tanto realismo!

Always disse...

Lábios de Caprichos,

Obrigado por entenderes a interioridade que ponho no que escrevo. Nem toda a gente tem essa maturidade. Para esses a cegueira emocional é mais confortável porque lhes legitima todos os comportamentos, para esses a estrada é só de um sentido, o deles!

Obrigada pela tua visita. :)

RV disse...

por vezes os jogo n é honesto, há q saber olhá-lo mt bem

Always disse...

RV,

O que é preciso é saber que é jogo, perceber que não vale a pena e abandonar a mesa. Que brinquem sozinhos e que se divirtam! Há pessoas mais inteiras e mais sólidas para dar atenção, para quê continuar a limitada ao infantário?...

Bjos

RV disse...

por isso é preciso olhá-lo bem, eu é q me expliquei mal ali em cima, pq jogar n é amar

Always disse...

Sim, jogar é tudo menos Amar. Uma estratégia calculista no gostar, definitivamente, não é Amor!