domingo, 30 de setembro de 2012

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Quando os instantes da manhã se acumulam...

Regina Deluise, Three Chairs

Quando os instantes da manhã se acumulam nas
paredes da casa, eu rasgo as páginas onde te escrevo,
porque sei que tudo será desnecessário, tudo será
frágil, quando imagino o sol que não sei se poderei ver,
esqueço as paredes e,


com tanta força,

quero que sejas feliz.


José Luís Peixoto

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Maioridade

Autor desconhecido

Longe da vista não é longe do coração quando nele guardamos intacto quem amamos. Hoje uma estrela brilha mais do que o sol. Tornaste-te 'grande' longe dos meus olhos, mas eu estarei sempre onde me procurares, porque te guardo no coração que te viu crescer e nele caberás a vida inteira. Que sejas infinitamente feliz, Parabéns!

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O que não me dói

Corinne Mercadier, Une fois et pas plus

São, em mim, dor todas as palavras que já disse e que foram mal interpretadas, distorcidas ou esvaziadas de sentido. Dói-me tudo o que não quis dizer e que me ouviram de coração esquecido. Dói-me tudo o que não disse um segundo antes do orgulho ferido. Dói-me o quis dizer e que ficou no silêncio perdido. Dói-me a falta de sentido, o desperdício das horas e o caminho destruído. Dói-me o equívoco nunca esclarecido. Dói-me a dor de quem mal me entendeu quando eu própria me deixei de ouvir. Dói-me a falta de amor do erro, o abandono da alma no que gritei e o abraço que não recebi nem dei quando era preciso. Mas não me dói o que, no melhor e no pior de mim, nunca deixei de sentir. Amor.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Coisas a menos

Anabark, Pintura Incompleta (SET12)

Um céu à espera do azul que lhe falta. Um espelho imperfeito, de contornos distorcidos. Um copo de vidro de coração partido. Tempo perdido em verdades relativas. Um azul à espera do céu que lhe falta. Silêncio à solta e palavras cheias que sobram, proibidas, que não podem voltar a ser ditas ao ouvido, ensurdecido, de quem se escolheu como infinito. Toda a alma que o coração segura no que sente e não desmente. Tudo o que se adormece para não viver cansado, permanece. O sentido não se esquece mesmo sentindo só de um lado, apenas aprendeu a estar calado.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Andando

Anabark, Ramos de sol (SET2012)

Andando... no tempo ausente, o coração dormente. Passeando no beijo do vento, tão leve se torna o pensamento. Leve o que não se espera. Contudo impaciente o desejo, a vontade de ser tudo o que se sente. Andando pelas horas desencontradas entre as manhãs e as madrugadas. Levemente para não acordar quem dorme nos braços de um sonho leve que acredita como vida. O silêncio de quem não sente é a própria vida adormecida. Insidioso o vento que tudo leva e nada devolve. Coração que não ouve, coração que não resolve.

sábado, 15 de setembro de 2012

"Lá em baixo"

Emmanuel Correia 

"...Toda a gente passou horas
em que andou desencontrado
como á espera do comboio
na paragem do autocarro..."

In "Lá Em Baixo", SÉRGIO GODINHO

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Na varanda

Anabark, Center (AGO12)

Esta manhã encontrei cores no jardim da varanda. A luz que me despertou pintou tudo á minha volta da cor do jardim. Quando saí para a rua as paredes mudaram de sítio e todas as divisões da casa desapareceram nesse centro de cores imprevistas. E em todas as ruas por onde andei a ocupar o dia não havia nem carros nem passeios nem gente triste a passar ao lado da sua própria vida. Tudo era luz cristalina por entre árvores nascidas e crescidas durante a noite anterior. Voltei a casa na mesma canção que, de manhã, me ficou no ouvido e encontrei palavras coloridas no vidro do carro que me sorriram e abraçaram o anoitecer.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

A chave

Jens Waldenmaier Waipapa, Point

O baú está fechado e a chave no fundo do mar. Alguém por mim a atirou para esse longe onde nada se volta a encontrar. E há uma promessa feita nesse instante definitivo, não procurar o que de mim se perdeu, o que não é meu não posso segurar. A chave está no fundo do mar. Alguém por mim se desfez dela nesse infinito onde se afundam tesouros que tempo enterra. E não falto á promessa que fiz e posso cumprir. O mesmo alguém me disse que o mar é grande e que a minha viagem não acaba aqui e não depende da chave. Prometi deitar fora o que me pesa e me prende em terra. Confiei a chave nessas mãos que me lembram o que ainda está por vir e que a chave do que passou o mar levou. 

domingo, 9 de setembro de 2012

Sete vidas te desejo...

Anabark, Home (MAI2012)

...Mas que sejam mais de sete. E que durem para sempre na memória e no coração dos que importam. Para muitos bens é o desejo infinito de quem te quer bem.

sábado, 8 de setembro de 2012

Poetas e Amor

Anabark, Single (AGO2012)

"Poets are the only people to whom love is not only a crucial, but an indispensable experience, which entitles them to mistake it for a universal one."

Hannah Arendt

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Ideal

Daniel Hachmann


"The human soul has still greater need of the ideal than of the real. It is by the real that we exist; it is by the ideal that we live."

Victor Hugo

terça-feira, 4 de setembro de 2012

As cidades de Dickens

Mark Westerby

"It was the best of times, it was the worst of times, it was the age of wisdom, it was the age of foolishness, it was the epoch of belief, it was the epoch of incredulity, it was the season of Light, it was the season of Darkness, it was the spring of hope, it was the winter of despair..."

Charles Dickens, A Tale of Two Cities (1859)