terça-feira, 14 de junho de 2011

Amor perdido

Viral infection

O Amor perdido é também uma doença, dói-nos o corpo pela ferida na alma que teima em não curar. E mesmo quando deixamos de ter pena de nós próprios, tropeçamos invariavelmente nos momentos em que nos desequilibrámos. As interrogações e as  incertezas que tomam conta dos amantes em desgraça ensinam-nos que não somos donos da verdade, nem sequer da nossa própria verdade. E é nesse instante de humildade que surge a libertação. Porque tomamos consciência que, depois do Amor, já não somos tábuas rasas, somos mais por tudo o que soubemos sentir por inteiro. Aprendemos um universo, uma vida infinita. E a grandeza de um sentimento maior do que a vida, recompõe-nos na nossa certeza de que não somos estéreis, porque o Amor nos tocou e porque abraçámos infinitamente a possibilidade de ficar para sempre em nós.

8 comentários:

whitesatin disse...

O _Amor não se perde...não pode... Quando amamos nunca ficamos a perder. Aprendemos sempre qualquer coisa. Nem que seja a simples certeza de que temos essa capacidade...de amar! Enriquece-nos a alma e fortalece-nos o coração.

(saiu assim meio atabalhoado, mas é o que sinto, lol)

Um abraço :)

Always disse...

O Amor não se perde, perde-se sim o cuidado, oânimo, a coragem, a vontade, etc.
Quem aprende a capacidade de amar não esquece o Amor nem o substitui com sucedâneos. Quem um dia sentiu o Amor verdadeiro, quando perdido, sabe que não voltará a satisfazer-se com menos. O Amor muda tudo em nós, é demasiado bom para aceitarmos menos do que esse estado pleno de coração e alma comprometidos!

Uma abraço!

água disse...

... e em jeito de pregão de santos - actual :) - deixem que escreva às 2:
vcs SÃO LINDASSSS! :)

Always disse...

Água,

Não sei se por 'duas' se refere á pessoa que foi, até há pouco tempo atrás, a minha companheira e a inspiração dos meus textos, mas que, entretanto, mudou de ideias e foi embora... ou se está a referir-se á Whitesatin e ao comentário que ela assina...lol...
Seja como fôr, muito obrigado pelo seu entusiasmo e carinho! :)

Beijos!

água disse...

referia-me à ordem da minha leitura nesta caixa de comentários!!;) = whitesatin e always
não me agradeça, p. f. , saiu-me genuinamente e por essa ordem, decidi partilhá-lo:)

Always disse...

Um abraço! :)...

Mia disse...

Quero acreditar que se o Amor foi verdadeiro, mútuo e avassalador como uma descoberta em comunhão plena e, por isso, único e irrepetível,então ele não se perde. Pode já não ser concretizado, mas jamais será perdido.
Acredito que nada acontece ao acaso e por isso,quando uma comunhão assim verdadeira acontece, ela é fruto de uma razão de ser química que fez atrair precisamente aquelas duas energias complementares, gerando uma grande energia. Ora,ao contrario da matéria, a energia - uma vez criada - é imperecível.
Por isso o Amor nunca será perdido, por muito que se percam as amantes... E é isso que dói. Não deixa de doer...

Always disse...

Mia,

Obrigada pelo seu comentário. Partilho inteiramente do seu ponto de vista... Ainda assim, é inegável a tristeza que nos fica quando deixa de ser possível continuar a concretizar esse amor. É desse andono que falo no meu texto, dessa viagem ao centro de nós, para nos salvarmos reconhecendo a certeza desse amor sentido por inteiro e infinito.

Um abraço!