sexta-feira, 8 de maio de 2009

Meia luz

Niki Conolly, Color - Blue Series, 2006

Nem sempre os dias são favoráveis à conjugação de palavras com sentido inequívoco. Nem sempre conseguimos organizar os pensamentos fiéis à lógica em que ocorrem. Nem sempre as palavras se descobrem com a rapidez dos sentidos. Há dias lentos, tão lentos que nos chega a doer a vontade de chegar mais depressa a qualquer sítio. São dias estranhos, estagnados como a água de lagos que nem gente nem vento visitam. E mesmo que nos esforcemos para regressar à nossa velocidade normal, tudo acontece descoordenado numa dormência de corpo que não sabemos evitar por desconhecermos a sua origem. São estes os dias tímidos entre estações, em que as cores encobertas esperam luz que as descubra, pacientemente embaladas pela brisa...

4 comentários:

White disse...

Ha dias em que queremos dizer uma coisa mas as pessoas percebem outra. "Será uma questão de código" penso eu. E pergunto-me: quem é que anda por aí a mudar o codigo? Isso é perigoso,,, as pessoas deixam de se entenderem.

Bjs

Always disse...

White,

Mau seria organizar palavra atrás de palavra e não ir mais longe do que a mera banalidade. Mesmo que a honestidade gere equívocos, a banalidade na expressão será sempre mais perigosa e menos reconfortante, digo eu.

Bjos

analogic disse...

... ha dias, em que gostava de ver o 28 cheio de bolas coloridas saltitonas...

Always disse...

Analogic,

Que boa surpresa! Uma bola colorida assim, de repente, a saltar por aqui. :)

Um abraço azul eléctrico