sexta-feira, 11 de abril de 2008

Além das nuvens

Back to the start, A better son daughter, 2007

E as nuvens negras são feitas de quê? Água quase madura à espera de chover. E depois chega a luz e o mundo é um lugar muito diferente do que a sombra deixou perceber. Antes não havia caminhos nem sequer talvez paisagem. O sol traz o horizonte e a coragem para o passeio por longínquo que nos pareça. As nuvens negras são feitas de desperdício porque o tempo que passa não volta para trás e o que dele perdemos não voltamos a encontrar. E eu não tenho tempo a perder porque já perdi muito, demasido, antes de ti. Não vou durar para sempre e não gosto que me digam que 'devagar se vai ao longe'. E se pudermos ir depressa para sobrarmos nós ao tempo e segurar o Verão o mais tempo possível? A minha vontade de partir, chegar e ficar és tu. As nuvens negras incomodam-me o passo e eu quero ver-te sempre, mesmo de através do escuro. Quero a luz que te sinto em mim eterna e segurar-te o sol à janela para aquecer o teu generoso sorriso.

4 comentários:

Druiel disse...

sempre tudo tão encantador por aqui.

Bjs

Presença disse...

Para além de nuvens... céu... e este não é o limite...

Always disse...

Druiel,

Assim é o feitiço do Amor... :)

Bjos

Always disse...

Presença,

Diz-me... o Amor tem limites?... :)