segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Infinito

Mathew Jellings, Timeless, 2007

Nos dias bons, nos dias maus, nos não-dias ou dias assim-assim. Nos dias de ausência ou na ausência dos dias em nós. Na distância daqui ao outro lado do mundo ou à distância de lábios que se beijam. Incondicionalmente para sempre. O meu 'sempre contigo' não tem tempo nem lugar. Sempre é a perpétua vontade de te ter comigo e a certeza de um amor absoluto. O meu 'sempre' é o mar infinito e intemporal em que te estendo os braços para tentar dizer-te 'Amo-te tudo'. Tudo não tem fim, é o tamanho do 'sempre' a que acrescento mais um dia por cada dia que passa por nós. Nem passado nem presente nem futuro. A vida que me anima a alma e que o coração sente tão completamente neste 'nós' que somos abraça-te e segura-te a eternidade. Depois de ti não há nada. O 'tudo' é o infinito que há em ti e em mim lado a lado.

4 comentários:

wind disse...

Claro:)
Beijos

Always disse...

Cristalino! :)

Beijos

Sandrita Star disse...

É bom saber que sou tudo em ti :))) e tu, bom, tu ÉS.

Beijo,
S.Star

p.s.: marota, não sou?

Always disse...

Sandrita Star,

LOL... Bem, marota é apelido!

Um beijo grande