segunda-feira, 7 de março de 2011

Se calhar não é assim...

Roe,... Heart of gold, 2008

Tenho a certeza que o Amor é perceber que duas pessoas não são uma só mas a soma das partes de cada uma. E que amar é aceitar o outro, sobretudo nas contrariedades e torná-las vantagens, pela experiência acrescentada que resulta da diferença de gostos e de pontos de vista. Tenho a certeza que o Amor é querer conhecer melhor e não desistir do que não compreendemos, se calhar porque nunca pensámos nisso. E que amar é confiar que vamos aprendendo todos os dias a perceber o 'incompreensível'. Tenho a certeza que o Amor é assumir que não sabemos tudo e que, por não sabermos tudo, faz-nos falta um outro ângulo de visão do mesmo caminho. Se não for assim, não faz mal, posso melhorar o meu ponto de vista.

14 comentários:

Lábios de Caprichos disse...

Sobre o amor, acho que cada amante tem o seu ponto de vista. E ainda bem que assim é! :)

Always disse...

Sem dúvida, convém que haja pontos em comum, contudo. :)

A Santa disse...

Amor é, também, tolerar aquilo que não compreendemos ou com que não nos identificamos :)

Always disse...

Santa,

Estou concletamente de acordo contigo e foi exactamente isso que quis dizer quando escrevi:

"Tenho a certeza que o Amor é querer conhecer melhor e não desistir do que não compreendemos, se calhar porque nunca pensámos nisso. E que amar é confiar que vamos aprendendo todos os dias a perceber o 'incompreensível'.

:)

rv disse...

mas amar é tb deixar partir qd percebemos que não estamos à altura daquilo q é preciso para amar;e olha q n sei o q é mais difícil, por mim, sei apenas da vivência q refeir em cima e foi doloroso, muito, mas foi o melhor, a actualidade confirma-o,

abraço

Always disse...

R.

Assumir que 'não estamos à altura daquilo que ë preciso para amar' parece-me que ë passar um atestado de incompetência a nós mesmos. Ou amamos ou nao amamos. A competência para amar (como diriam os Clã, lol) ë outra questão, e parece-me que assumirmos que nao temos essa competência/capacidade ë o mesmo que dizer que nunca amaremos realmente, independentemente da pessoa em causa.

Fundamental é saber se amamos realmente e se somos amados. Se o amor existe nada é impossível porque essa força tudo cura, porque tudo se relativiza em função de um bem maior.

Claro que não faz sentido obrigar alguëm a aceitar o nosso amor. Claro que não faz sentido insistir perante a ausência de amor.
Claro que não faz sentido querer que nos amem á força.
Claro que não faz sentido amar alguëm que desconfia do nosso amor. Tudo isto e muito mais, e então há que saber partir e deixar partir.

Pessoalmente, nào posso assumir que 'não tenho aquilo que é preciso p amar'. Sei o que ë amar, tenho essa capcidade. E essa certeza ë uma âncora nos dias maus. É uma certeza inabalável em mim, perdoa-me a arrogância.

Um abraço!

PS - 'Lost and Found' é das animações mais bonitas que vi até hoje. Obrigada! :-)

rv disse...

assumir q n estamos à altura é assumir uma derrota pessoal qd o nosso interior não está arrumado, era isto q estava atentar dizer e qd isto acontece , e após algumas tentativas falhadas, o melhor é deixar ir;

ofereceram me o livro este fds :o)

Always disse...

Se estamos desarrumados interiormente não podemos esperar que seja o lado de fora a por tudo no lugar. Nem seria justo!...

Esse trabalho de casa é pessoal e tem de ser feito com honestidade, sobretudo, quando existem experiências falhadas prévias. Nisso concordo contigo, há que assumir essa 'derrota pessoal do interior desarrumado' e deixar de culpar e de arranjar argumentos/justificações para fugir a essa responsabilidade.

PS - Vou também comprar o livro! :)

rv disse...

absolutamente de acordo, compreendo-te apenas estava a tentar vêr a situação do outro lado; e sim não é justo é sim tão injusto q a culpa, no meu caso, demorou mais tempo a ser arrumada do q o meu próprio interior na altura aliás só comecei a arrumar as gavetas depois de me perdoar

underadio disse...

Também é assim...arrisco a dizer E MUITO!beijinhas : )

Always disse...

Compreendo o que dizes e, sim, esse é um problema quetambém me afecta e que tenho alguma dificuldade em gerir, o da culpa que nos atribuímos a nós mesmos!

Esse problema é, sem dúvida de difícil arrumação. Se calhar porque perdoamos mais depressa os outros do que a nós mesmos...

Abraço!

Always disse...

Underadio,

Espero que estejas bem! :)
Beijos para ti

Natacha disse...

Amor não será também não compreender nada e ainda assim querer tudo juntos!? :) Amar é sermos livres, também nas diferenças...

Desculpa a intromissão, não resisto quando se fala de Amor...

Always disse...

Natacha,

És bem-vinda! :)

Não só concordo contigo como no meu texto também refiro isso quando digo que o amor é aceitar o 'incompreensível' e mesmo assim querer continuar e não desistir só porque não compreendemos, porque amar é mesmo isso que tu dizes 'sermos livres também nas diferenças'.