quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Acordei-te?...

William Mahan, Gravel Shadows, 2007

Escorre azul de céu do quadro em que nos pinto eternas, sem tempo nem lugar. É um azul feliz, quase tão luminoso como a luz que te descubro todos os dias e me aquece a alma sempre mais um bocadinho para além do tudo. É um azul feito de pedaços de sol que encontro nos teus braços e me aconchegam mesmo nos intervalos do nosso abraço - são pedaços de calor que as saudades não arrefecem e nem o tempo extingue. E ainda que sinta infinitamente a tua falta quando não te tenho à distância de um beijo, sinto-te em raios de luz por dentro a partir do coração. Procuro-te a pele como o céu azul envolve o sol. Passeio-te o corpo nessa vontade de paraíso e encontro-te o mesmo desejo de mil cores e um querer infinito. Por vezes, somos Uma, outras vezes somos 'nós'. Somos sempre mais do que duas partes separadas, tu e eu. Somos Amor numa peça única. Ontem éramos uma ideia de sempre, hoje somos para sempre e mais um dia. Amanhã seremos eternamente. Tenho vontade de te acordar para te dizer que hoje já é amanhã e que os nossos dias não têm fim...

3 comentários:

RV disse...

obrigada pelas palavras deixadas no meu espaço, desejo-te côres sempres vivas nesta tela única que é o amor,

bjs

wind disse...

Sempre belas as palavras aqui:)
E o livro? Não me esqueci:)))
Beijos

Always disse...

RV,

Que chegue a ti também a mesma paleta de cores.

Beijos

Wind,

LOL. Eu também ainda não me esqueci, não tenho é feito por isso. :D
Gostei de reencontrar-te por aqui.

Beijos