sábado, 10 de dezembro de 2011

À margem

Anabark, Muro (NOV2011)

Nunca desisti de nada nem sequer de quem desistiu de mim. Não desisto do que me conheço nem da força do sentir. A alma não comprometo ao sabor de ventos e contratempos, a alma conservo inteira como âncora que me devolve o sentido e a razão de tudo quanto existe. Não sei desistir de coisas vivas, não sei desistir de mim. Deixo de lado o que não me encontra, o que deixou de ser para mim. Tudo o que não me encontra, tudo que parte e não me volta, não existe, desistiu de ser, assumiu um fim. Não quero nem desejo gente ausente, feita de cinzas frias. O que sinto é meu e sem espelho, o fogo que conservo é feito apenas do meu sangue e carne vida. Quem não me abraça as feridas com o Amor não existe, só o meu abraço interior lhe inventa vida, como quem desenha um coração de papel sem braços nem força para amar.

2 comentários:

O sofrologista católico disse...

Existem duas formas de destruir a misericórdia: eliminando o pecado e eliminando o perdão. Estas são precisamente as duas atitudes mais comuns nos dias que correm. Numa enorme quantidade de situações não se vê nada de mal. Naquelas em que se vê, não há desculpa possível. As acções do próximo ou são indiferentes ou intoleráveis. O que nunca são é censuradas e perdoadas. O que nunca se faz é combinar o repúdio do pecado com a compaixão pelo pecador.

Always disse...

Sim, e é nisso que falhamos verdadeiramente como seres humanos. Porque ser adulto, no sentido de ter maturidade emocional para resolver os dilemas que a vida nos coloca, seria, acima de tudo, ter capacidade de encaixar a compaixão na nossa atitude para com o mundo.
Em vez disso, recorre-se à solução fácil: a intolerância e o repúdio. Lamentavelmente!
O diálogo e o perdão é algo que dá trabalho e a maioria das pessoas não gosta de pensar, gosta de soluções fáceis em que 'o preto é preto e o branco é branco'. Assumir a existência de cinzentos é pôr a sua essência em causa e ninguém gosta de sentir esse tipo de fragilidade interior.

Obrigado pelo seu comentário! :)