terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Epílogo

José Paulo Andrade, The nail head, 2008

Não havia mais mar por navegar, apenas o desafio constante das ondas. Não havida mais mar desconhecido, apenas o sobressalto das vagas e o vento de encontro ao navio. Não havia mais longe por descobrir, apenas a teimosia de resistir ao frio. Não havia mais fundo do mar sem restos de tempestade, apenas o sonho de um tesouro, nunca encontrado, sem idade. Não havia mais pedaço de vela por rasgar, apenas a força de braços para seguir adiante para além dos destroços. Não havia mais do que a cor que vesti por dentro entre as sobras naufragadas do que foi um barco, espalhadas pela praia. Nem tempo nem vento nem palavras, apenas o que pintei na alma como infinito.

8 comentários:

underadio disse...

: )

Always disse...

Beijos! :)

H A R R Y G O A Z disse...

BEAUTIFUL image!

Always disse...

Yes, the photo is awesomne, Harry - just hope that my writing does justice to it! :)

whitesatin disse...

"Como quando do mar tempestuoso
O marinheiro todo trabalhado,
De um naufrágio cruel saindo a nado,
Só de ouvir falar nele está medroso;

Firme jura que o vê-lo bonançoso
Do seu lar o não tire sossegado;
Mas esquecido já do horror passado,
Dele a fiar se torna cobiçoso;

Assi, Senhora, eu que da tormenta
De vossa vista fujo, por salvar-me,
Jurando de não mais em outra ver-me;

Com a alma que de vós nunca se ausenta,
Me torno, por cobiça de ganhar-me,
Onde estive tão perto de perder-me."

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"


- Só uma alma infinita descreve o amor infinito da forma como tu o tens feito.
Gritando histórias, elevando memórias que contigo convivem numa harmonia turbulenta silenciosa.
És grande na tua infinititude! Enquanto te lembrares nunca estarás perdida!
As nossas memórias são o cimento que sustém a estrutura que nos molda durante a construção da nossa vida inteira e mais além.

Abraço-te em admiração profunda :)

Always disse...

Nat,

Obrigada pelo soneto, de grandeza ímpar, de Camões. Numa palavra apenas - porque não tenho palavras suficientes para elogiá-lo - SUBLIME!

Agradeço-te, ainda mais, as tuas palavras porque elas me confirmam a tua alma grande que, tantas vezes, me ensina caminhos. Não estou perdida nem sequer nas memórias que fazem parte de mim, exactamente pelo razão que apontas, porque elas me estruturam o presente e me dão consistência. Porque cada experiência do passado nos revela um bocadinho mais de nós mesmos. Porque nos construímos com todas as pedras que vamos encontrando pelo caminho. Porque a memória nos forma um certa solidez de carácter que nos é fundamental no caminho da vida.

Tens uma clarividência rara e uma sensibilidade plena de maturidade que eu, espero um dia, vir a ter pelo que vou aprendendo contigo. :-)

Um abraço!

whitesatin disse...

Oh...I am not so much of a rarity...guess i'm just a good listener...and because you've left me without words to express my gratitude, I leave you with these two quotes that says much of what are both my heart and soul feeling :)

"Blessed are they who see beautiful things in humble places where other people see nothing." - Camille Pissarro

"A candle loses nothing of its light by lighting another candle." - James Keller

Empathy is a two way street. Thank you my friend, for teaching me so much for such a long time too! :)

Always disse...

Nat.

Being a good listener is, without question, a strong principle of reflexion and adult nature. There are no correct answers for most of the problems in our lives. But, certainly, the one who is generous enough to carefully listen, will also be qualified to bring some light to discussion. I will always be grateful to you for that effort.

And thank you for the wise quotes! :)

Abraço!