quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Escrito na areia

Chester Michalik, Figure, 1971

Encontrei-te a custo numa ideia antiga de infinito e dou-me conta de que o tempo traz outro tempo atrás e que não existem horas estanques nem momentos fixos, mas instantes em que as ideias se cumprem e depois se desmaterializam. No que me vou perdendo do passado encontro o presente em alta definição. Não se cumpriu a ideia primordial senão no seu esboço e numa promessa de corpo suficiente para resistir e viver para além da areia dos dias. Guardo perto amores antigos sem o tempo voltar trás, porque eles e eu escolhemos ficar sem tempo. Porque é mais o que nos une do que o que nos separa ou, simplesmente, porque abraçamos o que nos ficou sem condições. Não encontro nada de ti, vives ausente e livre do passado. Não seguro sequer a ideia clara do que te fui e que só, muito a custo, consigo definir. Na ideia antiga encontrei-te algo que nunca foste a não ser no poema em que te construí.

6 comentários:

H A R R Y G O A Z disse...

Have a SUPER week!

Always disse...

Thanks, Harry! :)...
Wish you the same - have fun as you go through the days! :)

rv disse...

um brinde à vontade, bjos

whitesatin disse...

"The strongest principle of growth lies in human choice." - George Elliot

:)

Always disse...

R.

Assim dee repente lembrei-me de Leni Riefenstahl e do seu "Triunfo da Vontade"... :)
Beijos!

Always disse...

Nat.

Sem dúvida verdade o pensamento de Gerge Elliot! :)

Um abraço!