segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Matéria

Anabark, Geometria Obscura (JAN2012)

Tudo muda, tudo é relativo, o próprio universo é parte de uma infinidade de universos, como se o todo, afinal, não representasse nada ou apenas a ideia de um acto de criação contínuo. No universo não existe um centro mas múltiplos pontos de expansão. Não há um centro porque não existe um limite. O espaço é a geometria do universo. As mudanças no tamanho ou na forma do espaço acontecem por causa do movimento da matéria e da energia no universo. Somos nós, a matéria, que muda na sua densidade e o universo transforma-se. E ainda que o sol permaneça no mesmo sítio, não é único e, como tudo o que é matéria, tem a sua morte anunciada, porque a matéria nasce, vive e morre, para renascer, reviver e tornar a morrer, tal como nós, pela desagregação de energia, já que nada se cria e nada se destrói, tudo se transforma, sempre. E ainda que cada transformação implique uma perda, um consumo, um desgaste, um atrito e um esforço de superação, ficar no mesmo sítio é morrer, porque o movimento é a essência da substância. Importa, e muito, deixar que o sol nos acenda a dança dos átomos e nos renove continuamente a velocidade de ser.

7 comentários:

Anónimo disse...

Importa, e muito, deixar que o sol nos acenda a dança dos átomos e nos renove continuamente a velocidade de ser.

tiza disse...

"Importa, e muito, deixar que o sol nos acenda a dança dos átomos e nos renove continuamente a velocidade de ser."

H A R R Y G O A Z disse...

Have a Wonderful New Year!

Always disse...

Thanks, Harry... have a great year ahead! :)

Always disse...

Tiza,

Importa!... :)

whitesatin disse...

WOW! Adorei esta tua reflexão! Concordo em absoluto contigo!

Permite-me que reforçe com uma citação do Mestre Einstein:

"Sobre a matéria, temos andado todos errados. O que chamamos matéria é energia, cuja vibração é tão baixa para ser perceptível aos sentidos."

- Com o exemplo da bomba atômica, os cientistas passaram a acreditar mais na afirmação de Einstein de que matéria e energia são duas expressões da mesma coisa. Em varias experiências em física de partículas, na qual os cientistas lançaram partículas subatômicas em aceleradores de partículas contra alvos para estudar os fragmentos minúsculos que compõem a estrutura da matéria, foram verificadas evidências adicionais confirmando que toda a matéria é realmente uma forma de energia congelada.
O cientista alemão Wilhelm Ostwald também acreditava que não havia nada no mundo para além de energia. Onde as pessoas estão acostumadas a sentir e ver a matéria, de acordo com Ostwald, o que estão sentindo e vendo é apenas "energia pura".
Segundo ele, movimento é a forma de existência da matéria/energia.
Ser significa estar em movimento.
O movimento de qualquer coisa que ocorre apenas em relação ao movimento do outro. O movimento de um corpo separado é um absurdo. Essencialmente o movimento nada mais é que a interação de coisas como resultado da razão pela qual elas mudam. -
Conclui-se, portanto que, a matéria é energia que vibra no vácuo.

Com isto termino com esta afirmação grandiosa que adoptei: Nós somos energia pura em movimento! :D

A ideia de que eu sou energia vibrante faz-me cócegas nas partículas que constituem as minhas células, lol. É lindo!

Um abraço vibrante para ti! ;D

Always disse...

Brilhante, Nat! :))
Só me resta acrescentar que coisas imóveis, sem movimento, são coisas mortas. Se a essência da matéria é a energia e o movimento que ela pressupõe, tudo aquilo que está parado deixou de existir na sua forma original. A vida é energia em movimento! :)

Um abraço!