quarta-feira, 8 de novembro de 2006

Respostas

Anabark, Frágil (MAI06)

Lisboa, Agosto. 2006
"Que sabes tu do que me tem custado a mim? Perdi-te a ti, perdi-me a mim, e só aos poucos recomeço a encontrar-me. (...) Não desisti de ti, nunca desistirei, continuarei a querer-te e a amar-te à minha maneira (quem sabe, egoísta e cobarde, como dizes). Pode parecer-te crueldade da minha parte não querer saber dos teus sentimentos, te garanto que não é. Dói-me mais a mim que a ti – tenho quase a certeza."
Como podemos avaliar isso? Em noites sem dormir, dias sem comer, lágrimas permanentes, horas à deriva pelas ruas a tentar fugir de nós mesmos?... Achas que não me dói saber que tu aí também sofres? Achas-me tão egoísta que não pense que te dói também a ti? Achas que as minhas lágrimas não são as tuas também? Achas que não vou viver para sempre essa dor? Com que balança se pesa a dor? Foste tu que partiste. Quem criou a escuridão? Parece-me que és tu quem tem de caminhar até mim, se algum dia me quiseres voltar a encontrar, e não o contrário.

8 comentários:

wind disse...

aiaiaiaiai, que "fantasma" que carregas...
Liberta-te:)

Always disse...

É o que vou fazendo todos os dias - a escrita é, também, uma forma de libertação a par de tudo o resto. Os universos paralelos sobrepõem-se - este universo é o do 'fantasma', mas existo noutras dimensões para além do obscuro mundo do 'fantasma'. :)

Senhora Saudades disse...

and you shall be released, minha querida, A. go back and find what made you happy before. can you remember what used to make you happy?

caldo verde & broa everyday,

:) F.

Always disse...

Senhora Saudades,

Don't worry, I'm doing fine, sweet F.
These colection of sad stories on my ghost is part of my release, a sort of revenge actually - I take special pleasure on making accusations, pointing out her lack of character - something about herself she prefers to ignore.

wind disse...

Ops always retiro-me a partir de hoje dos comentários porque já tens com quem desabafar:)
Vê se ficas bem:-)

Always disse...

Wind,

Não te retires por tal motivo. Ter com quem desabafar sempre tive fora daqui - tenho amigos e esses nunca falham.

Este é, apenas, um espaço de escrita onde despejo palavras numa certa ordem com um certo sentido - um universo paralelo nos intervalos da vida.

Quanto ao resto não te preocupes, está tudo bem, o pior já lá vai - o tempo tudo cura. Perder um amor custa. Escrevo sobre essa dôr porque sei escrever sobre ela. Toda a gente conhece a experiência da perda. Ainda que seja perturbante, por que não escrever sobre ela? Não será também uma forma de descrever o Amor?

Volta sempre que quiseres. :)crever sobre a perda

AR disse...

Esse é o grande problema da dor, não é possivel de ser medida. Incrivel como temos medidas para quase tudo, menos para os sentires! Até a comida saborosa tem uma medida: calorias!

Always disse...

AR

E não havendo medida para quantificar o sentir, não é possível comparar intensidades que não são mesuráveis.
´
Logo torna-se absurdo dizer "Gosto mais de ti do que tu de mim" ou "doi-me mais a mim do que a ti".

Ao menos quando comenos sabemos as quantidades! ;)