domingo, 25 de março de 2007

Caminho em chamas

Bruce Berrien, Milford, 2004

Passo a passo no que falta andar, caminho com a certeza de que não me enganei na encruzilhada quando virei na tua direcção. Caminho cautelosamente como se reaprendesse a andar depois de muito tempo no mesmo sítio rente ao chão. Sigo em frente e o meu sentido és tu. Quero chegar-te no que nos falta e só nos falta o que ainda não sabemos mudar à nossa volta. Chegar-te é segurar-te na distância, dentro do coração. Segurar-te é saberes que te abraço todas as vezes que me pensas durante o dia. Amar-te incondicionalmente é viver-nos nesta espera feita de beijos sem princípio nem fim. E se morro de saudades no tempo que nos falta é porque tenho pressa de sentir o fogo que somos pelo caminho. A minha urgência de ti é um principio de vida: não existo no que não te tenho, sobrevivo embrulhada neste querer-te infinitamente. No caminho que tu e eu vamos andando tudo se incendeia, tudo é fogo da nossa eterna chama. Tu e eu somos um oceano que nos queima de sangue a ferver.

4 comentários:

wind disse...

Belíssima prosa!
O editor?lololol
Muito bom mesmo este texto.
Quanto ao conteúdo já sabes o que penso:)
beijos

Sandrita Star disse...

Eu também te seguro, eu também te abraço, eu também te coração... é tão bom saber que nos temos...

De paixão feita eternidade,
S.Star

Always disse...

Wind,

Obrigada. :) Sabes que prezo a tua opinião.

Quanto ao editor, estou agora cheia de trabalho e vou viajar brevemente. Quando voltar e tiver alguns dias de férias, vou pensar melhor no assunto. Reservo-te em antecipado um exemplar com dedicatória. :)

Bjs

Always disse...

Sandrinha,

Abraças-me sempre com a força com que gostas de mim e eu de ti. Haverá algo mais forte do que braços que seguram desta forma, sem nunca ficarem cansados? Guardo-te comigo eternamente...