sábado, 9 de dezembro de 2006

Estremecimento

Wind «Copo Partido», 2006

Assim, de uma forma inexplicável, instalou-se em mim, desde há alguns dias, um desassossego que sinto como uma ansiedade que não é minha, que vem de fora para dentro, como se alguém me quisesse chegar sem que eu soubesse ou me procurasse sem saber onde moro. Sinto assim esta força centrípeta em ondas circulares de uma energia desconfortável e desordenada, um efeito borboleta ao avesso que estremece o vidro frágil deste copo cheio de palavras ao vento. Algo estranho acontece por mim adentro, vindo de fora de mim, algo difuso, invisível e inesperado. Deixo-me ficar neste algo que não sei dizer mas sinto em estilhaços de vidro quebrado.

16 comentários:

SK disse...

Os estilhaços de vidro...
É daqueles materiais que não adianta colar, que não dá para soldar, para agrafar..
Mas é daqueles materiais se podem voltar a pegar, fundir e moldar de novo o cálice...

Assim, a matéria é a mesma, a transparência, a sonoridade.
O cálice, poderá ser o que se quiser.
Bj

Always disse...

'Porque nada se perde tudo se transforma.' :)

wind disse...

Bela prosa quase poética, para sentir, porque nem tudo se comenta:)
Obrigada pela colocação da foto, que de facto fica mais rica perante este texto e é perfeitamente simbiótica com o mesmo:)

Always disse...

Agradeço o teu comentário. A tua foto vale por si mesma. :)

Vai até ao meu texto «Um Sopro de Vento» e espreita os comentários. O fotógrafo americano Bruce Berrien reparou que utilizei uma fotografia dele para ilustrar o texto e deixou-me um comentário de agradecimento. :)

Quem sabe se ele não terá reparado na tua?...

PS - Já escolhi mais uma foto do teu Words - a dos vasos à janela.

wind disse...

Bem no teu "sopro de vento" a foto é belíssima!
Isso sim são fotógrafos:)
Usa e abusa das fotos que quiseres, aqui desta "amante" da fotografia, mas por hobby:)
beijos

wind disse...

Dás licença que te link?
Assim é mais fácil, escuso de vir aqui por outros blogs:)

wind disse...

Desculpa é que sou despistada, o link vai para o Webclub e não para o Words:)

Anónimo disse...

Miss Always,

Escreveu Maquiavel:
"uma guerra não se pode evitar, mas sim apenas adiar e com vantagens para o outro."*
Agora, leia 1Pedro4:8 e depois Tiago4:7
Conclusão?
"Mas, quando se vencem os perigos e se começa a inspirar estima, depois de aniquilados aqueles cuja qualidade suscitava o nascimento da inveja, fica-se poderoso, seguro, honrado e feliz."**

Apaixonada, sempre apaixonada
S.Star

* O Príncipe
** do mesmo livro

Always disse...

WIND,

Linka-te à vontade. :)

Always disse...

Sandrita Star,

Uma pergunta: Se os justos são salvos com dificuldade, deverão os injustos esperar ser salvos também?

Guardo a tua luva de vermelha paixão. :)

wind disse...

Linkada estás:)
Assim é só clicar no lado direito e venho cá ter directamente:)

Always disse...

WIND,

Obrigada. :)

SK disse...

Segundo consta, até os injustos se salvam, desde que se arrependam, verdadeiramente...
O que, presentemente, não deve servir de desculpa ;)

Always disse...

Daí a importância de saber pedir desculpa no tempo certo. ;)

analogic_lobo_de_si disse...

Penso: de onde vem a justiça?
D'um músculo ou órgão do Homem?
Penso: o que é ser salvo?
De de quê, ou de quem?

Always disse...

A justiça, acima de tudo, deve ser uma vontade interior. Quanto ao resto da tua questão, não existe uma resposta universal - cada indivíduo carrega a sua própria cruz, seja ela qual fôr. E há quem viva num constante desassossego a tentar salvar-se de si mesmo.