quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Pedir desculpa

Paula Armstrong «Forgiveness»

A inteligência e a grandeza de alma medem-se também pela capacidade de pedir desculpa, de admitir culpa e desfazê-la, de desmaterializar o erro e abrir um caminho novo por onde passear livremente de consciência tranquila. Porque, às vezes, magoamos profundamente e sabemos que estamos a magoar e, mesmo assim, insistimos convencidos que só há uma verdade, a nossa. Um dia, quase de repente, percebemos que nos faltou clarividência para entender que não existe uma verdade apenas e que a razão é uma questão de perspectiva. Magoamo-nos a nós mesmos ao magoar quem gostamos e quem sabemos que gosta de nós. Deitamos fora uma parte de nós que nos fará falta um dia, e quando esse dia chegar, será triste se acontecer ser demasiado tarde para pedir desculpa, porque quando passa muito tempo as pessoas magoadas desaparecem para sempre sem deixar rasto. Porque no tempo que passa as pessoas tornam-se desconhecidas e nessa distância perde-se tudo, mesmo aquilo que estiveram à espera de poder, um dia, perdoar. Errar é humano, pedir desculpa é aceitar a nossa humanidade. Perdoar depende do tempo que deixamos passar até tudo nos ser completamente indiferente.

8 comentários:

wind disse...

Percebi perfeitamente o que escreveste, mas sente-se e lê-se que estás mal, confusa, cansada psicologicamente.
Isto foi só uma palermice que escrevi:)
PS: Podes usar as fotos que quiseres
PS2:Porque só vais àquele blog, não gostas do outro?:)

Always disse...

Wind, as tuas avaliações psicológicas nem sempre acertam. Esta, por exemplo, vem fora de tempo. Já estive tudo isso que dizes, mas optei por mim... 'I choose Life'! Não te fies no que lês à primeira vista.

O que aqui escrevi tem um destinatário e uma mensagem subliminar. Percebeste o que leste, mas não descodificaste o subtexto (nem poderias descodificá-lo).

PS - obrigado pela foto que ainda não escolhi.

PS" - Não fui visistar ainda o outro blog, mas irei. :)

wind disse...

Peço desculpa, não te avaliei psicologicamente.
Não sou psicóloga:)
Só escrevi o que senti:)
Quando tiver destinatário não comento:)

SK disse...

...ou não, pq tb se pode perdoar mesmo não tendo deixado passar mt tempo, mesmo que nada nos seja indiferente.
Diria mesmo que o perdão não faz sentido se não for pq algo nos diz mt...
E lá está, uma questão de compreensão, perspectiva, clarividência... :)
bj SK

ah! nem sempre tudo de perde na distância, acho... não deve, pelo menos... bj

analogic_à_distância disse...

....zzzgrrrr.....zzzz.....só....zzzggiirrrr....pa.....zzzgrrreeek....abra...zzz....ço.....zzzggrreeee....ten..zgreee....to....-estática-....zzzzgreeekkiiii.....mais....zzzzeeeekkkkrrr....tar......zzzeeeeekkkcrrr....de....zzzz-estática-zzrrre.....

Always disse...

SK

Se reparares bem, o que eu disse foi o que estás a dizer - perdoamos facilmente quando não deixamos passar muito tempo, porque as coisas são ainda importantes para nós e cheias de significado.

Quando há um silêncio prolongado no tempo, as pessoas perdem-se e tudo se vai relativizando e acabando por perder a importância até já não haver mais nada para perdoar.

Há que saber agir no tempo certo ou arriscamo-nos a ficar indiferentes.

Nem sempre se perde tudo na distância, é verdade, mas tens de concordar que, quando nos afastam é porque deixaram de estar interessados no que temos para dar e temos de aceitar que não somos desejados.

Bjo

SK disse...

ops!
Não entendi assim, de facto. :)
E acho que tens razão. Qd alguém nos afasta e não nos permite aproximar, mesmo que assumindo uma nova figuara, é pq deixaram de estar interessados no que temos para dar e temos de aceitar que não somos desejados. Seja qual for o motivo, seja contraditório ou não.
Bj

Always disse...

analogic_à_distância

Heheh... A tua distância é apenas o espaço de horas desencontradas. Chegas sempre a tempo e oiço-te sem ruído de fundo.

Abraço-te.