quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

Diálogo com o vento

Anabark, Sony Ericsson K750i - Self-portrait (2006)

Olha-me nos olhos... sabes o que dizem?... 'Penso em ti'.
Ainda que eu te pudesse perguntar 'Pensas em mim?',
sei que a tua resposta seria: 'Manter contacto para quê?'

8 comentários:

Jaime disse...

Ainda sobre as questões da mentira, e também das da ausência e da procura fica este conselho do Alexandre O' Neill (que por acaso, ou não, é sobre as dores):

Ás dores inventadas
Prefere as reais.
Doem muito menos
Ou então muito mais..

Se calhar é sobre a vida.
Beijos

Presença disse...

O vento leva-nos e traz-nos palavras, ecos, sinais... afinal,não estão no passado?! Ficam no presente cada vez que são vividas em memorias... fica sempre...

Um abraço

Always disse...

Jaime,

Obrigado pelo conselho de Alexandre O' Neill - a dor de morrermos a alguém é real e pesada. Retribuo com Eugénio de Andrade, também sobre a vida, o seu desperdício e a insensibilidade daqueles que sobrevivem sem viver de facto:

"Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos."

Beijos.

Always disse...

Presença,

O vento leva e traz sinais e silêncio também. O passado vai-se desgastando - a memória vai-nos atraiçoando à medida que envelhecemos, de repente deixamos de nos lembrar exactamente como foi. E às vezes, é melhor não pensar para conseguirmos suportar a ausência.

Devolvo-te a pergunta que me fizeste 'O que é 'sempre'?'

Presença disse...

Always,

O que sentimos ou que um dia nos fizeram sentir, é de um campo tão secreto e sublime que está para além do campo das cognições... passa o campo dos registo, das recordações, da memoria.

Não te sei responder a essa pergunta... mas a verdade é que buscamos o sempre, o eterno, o imortal...
Mas o sempre é o que fica escrito na tua "historia de salvação".

Um bj grande

Always disse...

Sim, tens toda a razão, o que sentimos/o que nos fizeram sentir fica muito para além da memória e das recordações - vale a vida inteira pela sua grandeza e incondicionalidade. Nada disso se esquece, ou melhor, nada disso eu não esqueço - é o meu 'sempre'.

Obrigada pelo teu comentário cheio de luz. :)

Um beijo

wind disse...

Olhos directos:)
bjs

Always disse...

Wind,

Olhos directos para palavras directas.

Bjos